Portal Destaque

Notícias

Marcelo Casagrande / Agencia RBS
10/06/2021
Educação, Cultura e Desporto

Escola de Nova Roma do Sul transforma sobras de alimentos em gás de cozinha e fertilizante


Sistema serviu de exemplo para outras cidades que vão aderir à iniciativa sustentável


Alinhada aos pilares da sustentabilidade — economia, preservação do meio ambiente e desenvolvimento social —, a prefeitura de Nova Roma do Sul resolveu apostar em um equipamento que transforma sobras de alimentos em gás de cozinha e fertilizante. O biodigestor, como é chamado, foi instalado como projeto piloto na Escola Municipal de Ensino Fundamental Barão do Rio Branco, mas a ideia, segundo o prefeito, Douglas Favero Pasuch, é ampliar para a outra instituição de ensino do município, que é de Educação Infantil.

O equipamento tem a aparência de uma barraca, dessas de camping. Há uma divisória interna, como se fosse uma parte térrea e, outra, em um segundo andar. Na frente, existe um compartimento em formato de cano vertical de cerca de 100 milímetros, onde são colocadas as sobras de alimentos. Funciona assim: os resíduos orgânicos (restos de comida em geral, cascas de frutas, partes de hortaliças que não podem ser aproveitadas) produzidos pela escola, que antes iam para o aterro, agora são colocadas no biodigestor. 

Então, ocorre um processo de decomposição, separando o gás metano — que vai para o compartimento superior, onde fica armazenado — , do resíduo líquido, que é dispensado por um outro cano em um recipiente. O gás é direcionado por meio de encanamento tradicional até um fogareiro na cozinha da escola. Já o líquido expelido é diluído em água (um litro de resíduo para quatro de água) e utilizado como fertilizante para regar a horta, um pequeno pomar e o canteiros de flores da instituição, fechando o ciclo. Cascas de cítricos, como laranja, limão e abacaxi, não podem ser utilizados.

Ainda é cedo para ter dados sobre resultados na economia, porque o equipamento começou a operar em agosto do ano passado, quando as aulas presenciais estavam suspensas. Mesmo com o retorno dos 166 alunos às salas de aula, há cerca de dois meses, a escola, que atende do 1º ao 5º anos, não está desenvolvendo o turno integral, em função dos cuidados necessários com a pandemia. Por isso, a quantidade de refeições está reduzida. Por enquanto, o gás produzido é utilizado para aquecer água para o cozimento de alimentos e para fazer chás, entre outros. A capacidade do modelo instalado na escola permite a inserção de quatro quilos de material orgânico, por dia, que resultam em três horas de chama acesa no fogareiro. O fornecimento deve aumentar quando a escola estiver funcionando a pleno. Aliás, ela foi escolhida justamente pelo fato de oferecer mais refeições por causa do turno integral. Para continuar evitando o desperdício de comida no prato, a escola reforçou o trabalho de conscientização com as crianças de servirem-se apenas do que vão consumir.

— Temos o reaproveitamento das sobras, o fertilizante e o gás. Tudo é aproveitado. E, também, estamos plantando a sementinha de que podemos, com ações pequenas, ajudar o mundo, a natureza. Esse cuidado é interessante — comenta a diretora, Daniela Grazziotin Favero.

Sistema será adotado por outras cidades da região

O equipamento é fabricado em Israel pela HomeBioGas e foi adquirido por meio da empresa Biomovement, de São Paulo, que trouxe a tecnologia para o Brasil e tem representante na região, em São Marcos. O custo foi de R$ 7,2 mil e a vida útil estimada é de 20 anos.

— Sempre pensamos em energias renováveis. Agora, tivemos a oportunidade de conhecer essa empresa que vende esse biodigestor. Temos alto consumo de gás na escola por causa do turno integral. O custo não foi alto e a ideia é aproveitar essa energia, sem ter gasto. Pretendemos instalar também na nossa outra escola, a creche municipal Chão de Estrelas — comentou o prefeito de Nova Roma do Sul, Douglas Favero Pasuch. 

A iniciativa serviu de exemplo para outras cidades da Serra. A empresa vai instalar biodigestores em uma escola de Nova Pádua, hoje, outra em Nova Bassano, no final do mês, e, em agosto, em Veranópolis. Diversos municípios estão em processo de aquisição.

— É um sistema que foi instalado primeiro em Nova Roma do Sul, no ano passado, e estamos ampliando para mais cidades da região — comentou João Carlos Ramos da Silva, representante da Biomovement.

Segundo Silva, o sistema reduz o envio de uma tonelada de resíduos orgânicos a aterros e a emissão de seis toneladas de CO2, por ano, ao ambiente, além de gerar consciência ambiental e poder ser usado pelos professores como ferramenta pedagógica nas aulas.

O biodigestor interessou também o prefeito de Caxias do Sul, Adiló Didomênico. Uma comitiva formada por ele e pelos secretários de Educação e de Meio Ambiente vão a Nova Roma conhecer o sistema no dia 15. Adiló falou sobre o projeto ao Pioneiro:

— Queremos conhecer na prática como funciona para, quem sabe, adotar também em Caxias do Sul.

Segundo o representante da empresa, existe um projeto para aquisição de 81 unidades para escolas de Caxias.


Fonte: LIZIE ANTONELLO para Jornal Pioneiro | Disponível em https://gauchazh.clicrbs.com.br/pioneiro/geral/noticia/2021/06/escola-de-nova-roma-do-sul-transfo
OUTRAS NOTÍCIAS
18-05-2022

Formatura do Projeto Jovem Empreendedor

Ocorreu nesta segunda-feira, 16, a formatura das primeiras tur...

VER NOTÍCIA
06-05-2022

Conselho Tutelar responde dúvidas frequentes e orienta comunidade

A pandemia da Covid-19 impôs res...

VER NOTÍCIA
06-05-2022

Feaper Programa Avançar recebe inscrições entre os dias 09 e 12 de maio

Os interessados em se candidatar necessi...

VER NOTÍCIA
06-05-2022

Covid-19, Gripe e Sarampo: confira o cronograma de vacinação de maio

Covid-19

A vacinação ocorre no...

VER NOTÍCIA
28-04-2022

Campeonato Colonial de Futsal: confira a tabela de jogos

Iniciou em abril o Campeonato Colonial d...

VER NOTÍCIA
22-04-2022

Meio Ambiente: prefeitura organiza coleta de lixo eletrônico

A Prefeitura de Nova Roma do Sul, com ap...

VER NOTÍCIA